Amamentar

O sítio do Aleitamento Materno para cidadãos e profissionais de saúde

  

Declaração de Innocenti*

Apresenta-se a 1ª Declaração Innocenti aprovada em 1990 mas que, tendo sido actualizada em 2005 apresenta-se no final desta Declaração as principais conclusões desta revisão sob o título "O que todos deviam saber sobre a amamentação".

*A Declaração de Innocenti foi elaborada e adoptada por um grupo de alto nível de formuladores de políticas de saúde de governos, agências bilaterais e das Nações Unidas, reunidos em Spedale degli Innocenti, Florença, Itália, de 30 de Julho a 1 de Agosto de 1990. A Declaração reflecte o conteúdo de um documento prévio elaborado para a reunião, os pontos de vista manifestados em grupo ou nas sessões plenárias pelos representantes governamentais. A Declaração representa o consenso dos participantes da reunião, mas não necessariamente os pontos de vista individuais.

Sobre a Protecção, Promoção e Apoio ao Aleitamento Materno

RECONHECENDO que

O Aleitamento Materno é um processo único e uma actividade que, mesmo tomada isoladamente, é capaz de:
  • reduzir a morbilidade infantil ao diminuir a incidência de doenças infecciosas;
  • proporcionar nutrição de alta qualidade para a criança, contribuindo para o seu crescimento e desenvolvimento;
  • contribuir para a saúde da mulher, reduzindo riscos de certos tipos de cancro e de anemia e ampliando o espaçamento entre partos,
  • proporcionar benefícios económicos para a família e a nação;
  • quando bem adoptado, proporcionar satisfação à maioria das mulheres;
  • E que pesquisas recentes demonstram que:
  • estes benefícios aumentam com a exclusividade do aleitamento materno na infância e com a manutenção do aleitamento na época de introdução da alimentação complementar;
  • intervenções programadas podem resultar em mudanças positivas de comportamento em relação ao aleitamento materno,

DECLARAMOS que

Para optimizar a saúde e a nutrição materno infantil, todas as mulheres devem estar capacitadas a praticar o aleitamento materno exclusivo e todas as crianças devem ser alimentadas exclusivamente com o leite materno, desde o nascimento até os primeiros 4 a 6 meses de vida. As crianças devem continuar a receber leite materno, quando começarem a receber alimentação adequada e apropriada, até aos dois anos de idade ou mais. Esta alimentação ideal deve ser alcançada através da criação de um processo de consciencialização e de apoio para que as mães possam alimentar as suas crianças dessa maneira.

Devem ser tomadas medidas para assegurar que a mulher esteja devidamente alimentada para elevar seu próprio nível de saúde e o da sua família. Além disso, deve ser garantido que a mulher tenha acesso às informações e serviços sobre planeamento familiar, permitindo-lhe praticar o aleitamento materno e evitar a redução dos intervalos entre partos que podem comprometer o seu estado de saúde e nutrição e a saúde e nutrição dos seus filhos.

Atingir este objectivo exige que muitos países reforcem a cultura do aleitamento materno, defendendo vigorosamente esta prática contra as incursões da cultura do biberão. Isto requer compromisso e campanhas de mobilização social, utilizando o prestígio e a autoridade de líderes reconhecidos da sociedade em todos os sectores.

Devem ser desenvolvidos esforços para aumentar a confiança da mulher na sua habilidade de amamentar. Estes esforços envolvem a remoção de constrangimentos e influências que manipulam a percepção e o comportamento da mulher, e uma abrangente estratégia dirigida a todos os sectores da sociedade e que envolva todos os meios de comunicação.

Todos os países devem desenvolver políticas nacionais de aleitamento materno e estabelecer metas de curto e longo prazo para os anos 90. Os países devem estabelecer um sistema nacional de acompanhamento para atingir as metas, adoptando indicadores como a prevalência do aleitamento materno exclusivo ao sair da maternidade e prevalência do aleitamento materno exclusivo até os quatro meses de idade.

As autoridades nacionais são conclamadas a integrar as políticas de aleitamento materno nas políticas globais de desenvolvimento e saúde, procurando evitar políticas divergentes. E devem reforçar todas as acções que complementem os programas de aleitamento materno, como maternidade sem risco, prevenção e tratamento das doenças infantis comuns e planeamento familiar.

Algumas metas possíveis

Todos os países, até ao ano de 1995, devem ter:
  • nomeado uma autoridade competente como coordenador nacional de aleitamento materno e estabelecido um comité nacional de aleitamento materno composto por membros do governo e organizações não-governamentais;
  • assegurado que todas a maternidades coloquem em prática os “DEZ PASSOS PARA O ALEITAMENTO BEM-SUCEDIDO”;
  • implementar totalmente o Código Internacional de Comercialização de Substitutos do Leite Materno e as subsequentes resoluções da Assembleia da Organização Mundial da Saúde;
  • elaborar uma legislação criativa de protecção ao direito ao aleitamento da mulher trabalhadora e estabelecido meios para sua implementação,

CONCLAMAMOS AS ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS A:

  • encorajar e apoiar as autoridades nacionais no planeamento e implementação das políticas nacionais de aleitamento materno;
  • apoiar pesquisas nacionais e elaboração de planos de acção com metas específicas;
  • estabelecer suas próprias estratégias de acção para a protecção, promoção e apoio ao aleitamento materno, incluindo acompanhamento global e avaliação.
1 de Agosto de 1990

Florença, Itália

 

O que todos deviam saber sobre a amamentação*

 (Principais conclusões da revisão da Declaração Innocenti em 2005)

  1. O leite materno é o único alimento e bebida que o bebé necessita para os primeiros seis meses. Nenhuma outra comida ou bebida, nem sequer água, é necessária durante este período.
 
  1. Os recém-nascidos devem ser mantidos junto das mães e iniciarem a amamentação durante a primeira hora após o nascimento.
 
  1. A amamentação frequente provoca a produção de mais leite. Quase todas as mães conseguem amamentar com sucesso.
 
  1. A amamentação ajuda a proteger os bebés e crianças jovens contra doenças perigosas. Também cria laços especiais entre a mãe e a criança.
 
  1. A amamentação artificial pode levar a doenças e em ultimas consequências à morte. Se a mulher não conseguir amamentar o bebé, deverá à mesma alimenta-lo com o seu próprio leite ou com um substituto do leite materno utilizando um copo limpo.
 
  1. A partir do sexto mês, os bebés necessitam de mais variedade na alimentação, mas a amamentação deve continuar até ao segundo ano de idade e posteriormente.
 
  1. Uma trabalhadora afastada da sua casa pode continuar a amamentar a sua criança se amamentar o maior número de vezes possível nas alturas em que está com a criança.
 
  1. A amamentação materna exclusiva pode dar à mulher 98% de protecção contra uma gravidez nos seis meses posteriores ao nascimento – mas apenas se não tiver os seus períodos mensais, se o seu bebé for amamentado frequentemente durante o dia e a noite, e se não for dado outro alimento ou bebida ao bebé, chucha ou boneco.
 
  1. Existe um risco de a mulher com HIV passar o vírus para o bebé através da amamentação, especialmente quando a amamentação não for exclusiva. As mulheres infectadas devem ser aconselhadas por um profissional de saúde nos benefícios e riscos de todas as opções de alimentação do bebé e devem ser ajudadas nas decisões de alimentação ao bebé que tomaram.
 
  1. Todas as mulheres têm o direito a um ambiente que proteja, promova e apoie a amamentação, incluindo o direito à protecção contra pressões comerciais para a amamentação artificial do seu bebé. O Código Internacional de Marketing dos substitutos do leite materno, promove a protecção necessária através da proibição a promoção de todos os substitutos do leite materno, biberões e tetinas.

             Declaração de Innocenti 2005 – Ver mais...

* Based on Facts for Life, published by UNICEF, WHO, UNESCO, UNFPA, UNAIDS, WFP and the World Bank."Infant and Young Child Feeding. Innocenti Declaration 2005".

 Imprimir   
Pesquisa

Estatísticas
Links importantes
Login


Privacidade | Condições de Utilização