Amamentar

O sítio do Aleitamento Materno para cidadãos e profissionais de saúde

  

Tornar-se pai: um novo papel

Os pais não nascem pais, tornam-se pais. Preparar-se, desde a concepção, para desempenhar este excitante papel significa ter uma oportunidade de embarcar numa gratificante aventura, um segredo que um crescente número de pais, realizados com o seu papel, gostaria de partilhar com seus semelhantes.

Numa sociedade onde, há não muito tempo atrás, os pais eram quase sempre relegados ao simples papel de provedores, outros modelos de paternidade tinham que ser inventados. Portanto, assuma o seu posto enquanto presença importante e única na vida do seu filho e crie o seu próprio papel de pai! As informações que vai encontar aqui, em outros sítios, livros e revistas, ou na troca com outros pais, famílias e profissionais de diversas áreas que vão passar a fazer parte da sua vida em função do seu filho podem ser bastante relevantes para que descubra os caminhos a seguir no desempenho e na construção deste novo papel.

Comprometer-se e dedicar-se ao seu recém-nascido o mais cedo possível torna mais fácil o estabelecimento de um forte e importante laço entre vocês. Foi isso o que fez quando, durante nove meses, esteve a preparar a chegada do seu bebé e teve a oportunidade de acompanhar a gravidez através das ecografias, do curso de preparação para o nascimento que fez com a sua parceira e a sentir os movimentos do bebé dentro da barriga da mãe.

Mas hoje a sua vida está completamente mudada. A sua rotina e a sua casa estão viradas do avesso, a sua parceira está exausta, e a sua vida conjugal parece ter esvanecido. Em resumo, já não existe um ponto de referência.

Não entre em pânico! Assim como tantos outros pais antes de si, vai adaptar-se a esta vida nova e aparentemente desestabilizadora. Algumas atitudes podem ser úteis:

  • Reconheça as suas emoções - O nascimento de uma criança pode fazer florescer uma série de emoções. O primeiro passo é reconhecê-las. Alguns homens querem fugir: absorvem-se com o trabalho, com o desporto ou com algum projecto novo. O desejo de escapar muitas vezes mascara o medo de assumir um compromisso. Pode ser difícil reconhecer e compreender as suas emoções, mas é essencial que o faça e que as expresse e comunique de uma forma saudável. Isso permitirá que continue o seu processo de adaptação ao papel de pai.
  • Participe dos cuidados do vosso bebé - Não existe uma fórmula fácil para tornar-se um pai perfeito. Participar nos cuidados diários do seu bebé fará com que se torne a cada dia mais confiante. Vai conseguir descobrir as suas próprias formas de fazer as coisas, que podem ser diferentes das da sua parceira. O mais importante é que ambos acreditem em valores partilhados e nos resultados esperados. Algumas mulheres podem ter dificuldade em partilhar as responsabilidades acerca do bebé. Pode ser necessário manifestar o seu desejo e conversar com ela sobre os benefícios que esta partilha poderá trazer para toda a família.
  • Mantenham a vossa intimidade enquanto casal - Logo após o nascimento do bebé, os pais, às vezes, têm a impressão de que estarão sempre naquela correria e que não conseguirão tão cedo nem partilhar uma refeição. A identidade do casal parece estar destruida. Não se preocupe: as coisas ficarão mais fáceis quando cada um de vocês tiver estabelecido uma rotina. Planeie momentos de descanso a dois. Procure compreender o que acontece com a sua perceira durante o período do pós-parto. Quando ambos estiverem adaptados aos seus novos papéis, o desejo de intimidade retornará, ainda que isso possa ocorrer em momentos diferentes.
  • Aceite ajuda da família e dos amigos - O suporte da família e dos amigos pode ser valioso durante este período de adaptação. Aceite as suas ofertas de ajuda e delegue tarefas domésticas e o preparo de refeições, por exemplo. No entanto, tenha a ceteza de preservar a rotina que necessita para familiarizar-se com as suas novas responsabilidades. É muito importante não se deixar oprimir e protejer a intimidade do casal e da família.
Conselhos de pai para pai:
  • Adopte procedimentos claros para fazerem coisas enquanto casal;
  • Definam as tarefas de cada um;
  • Manifeste o seu desejo de cuidar do bebé;
  • Lembre-se sempre de se dar uma chance para: aprender; crescer enquanto pai; assumir o seu papel enquanto pai (diferente da mãe);
  • Quando a sua rotina voltar ao normal, reserve momentos agradáveis com a sua mulher, com o seu bebé, e também para si próprio.
 Imprimir   
A importância da relação pai-filho

Uma vez que a relação pai-filho é diferente da relação mãe-filho, ela é muito importante, tanto para os rapazes, quanto para as raparigas. É frequente que um pai estabeleça laços especiais com o seu filho a brincar com ele. Estes laços tornar-se-ão mais significativos com o passar do tempo. Um pai representa um modelo que é diferente daquele representado pela mãe. Ele gosta de brincar activamente com o seu filho, normalmente é mais severo e, frequentemente, é mais inclinado a encorajar a criança a explorar o seu ambiente e buscar a sua independência.

Não há dúvidas de que a qualidade da relação pai-filho afecta a interacção entre a criança e outras crianças e adultos.

No entanto, pai e mãe devem concordar com as regras familiares e suas aplicações. A disciplina imposta com uma abordagem harmoniosa será muito valiosa no futuro. É muito mais fácil ser pai/mãe quando se pode contar com o/a parceiro/a. Será também muito mais enriquecedor para a família.

 Imprimir   
Um homem também «engravida»

Hoje em dia considera-se que o papel do pai é tão importante como o da mãe na relação com o bebé, logo desde o nascimento e até durante a gravidez!

Mas nem sempre assim foi ?

Sabia que:
  • Só há cerca de 300 anos se começou a valorizar os laços emocionais entre os membros de uma família?   
  • Há cerca de 200 anos a evolução económica e industrial nas sociedades ocidentais contribuiu para um afastamento entre pais e filhos e ocorreu um grande número de separações?
  • Só há cerca de 100/150 anos, com as primeiras escolas, se começou a dar importância à criança e ao seu desenvolvimento?
  • Só de há 100 anos para cá os homens começaram a investir mais nas relações afectivas com as esposas e com os filhos? E que esse investimento foi abalado pela II Grande Guerra Mundial?
  • Só a partir do pós-guerra se começaram a realizar estudos sobre o desenvolvimento emocional das crianças e da relação com os pais?
  • Só a partir dos anos 60/70 os pais começaram a ter um papel mais activo na vida familiar e na educação dos filhos?
  • Só a partir dos anos 90 os pais começaram a poder assistir ao parto dos seus filhos em Portugal?
  • Só muito recentemente em Portugal pais têm por lei, a possibilidade de usufruir de licença de paternidade, bem como de assistência à família quando têm um filho a necessitar de cuidados?

Pois é, só nos dias de hoje se fala da importância do pai e do seu papel. Só muito recentemente os chamados ?cuidados maternos?, deixaram de ser um domínio exclusivo das mães. Assim, algumas áreas do conhecimento, admitem hoje a existência de uma vivência entre pai e bebé mais precoce do que antes se pensava, bem como se reconhece o impacto que a gravidez e o nascimento de um filho têm na vida de um homem! Podemos dizer que um homem não engravida com a barriga, como as mulheres, mas engravida com a cabeça e com o coração, e isso acontece a partir do momento em que um homem deseja e pensa ter um filho.

Maria da Conceição Teixeira                                                                                                                                       

PSICÓLOGA

 Imprimir   
Pesquisa

Estatísticas
Links importantes
Login


Privacidade | Condições de Utilização