Amamentar

O sítio do Aleitamento Materno para cidadãos e profissionais de saúde

  

Benefícios do aleitamento materno

 

Actualmente organizações internacionais, governos associações científicas e técnicas, entre as quais a Organização Mundial de Saúde (OMS), a Academia Americana de Pediatria (AAP) e a Associação Americana dos Médicos de Família (AAFP) recomendam o aleitamento materno (AM) exclusivo, durante os primeiros seis meses de vida, assim como a sua continuação até aos 2 anos ou mais. Estas recomendações são baseadas em conhecimentos que se têm vindo a acumular, de forma crescente, sobre a superioridade do aleitamento materno nos primeiros anos de vida, quando comparado com qualquer outra forma de alimentação. Esta superioridade advém tanto da constituição do leite humano, e das vantagens por ele proporcionado, como do acto de amamentar.

Os profissionais de saúde devem conhecer bem as vantagens que justificam as recomendações sobre a amamentação.

Os benefícios do aleitamento materno são evidentes em termos de saúde da criança, desenvolvimento intelectual e motor, risco de doenças crónicas futuras e saúde materna. Tudo isto é conseguido não gastando mais dinheiro mas, pelo contrário, proporcionando benefícios económicos acrescidos para as famílias, o sistema de saúde, os empregadores e a sociedade.

Ao longo dos anos, imensos estudos têm proporcionado um aumento dos conhecimentos sobre as vantagens do aleitamento materno, das quais se salientam: 

      • Vantagens nutricionais
      • Protecção imunológica
      • Propriedades anti-infecciosas, anti-alérgicas
      • Contributo para crescimento e desenvolvimento saudáveis
      • Benefícios para a saúde materna
      • Benefícios psicológicos
      • Vantagens ambientais
      • Vantagens económicas e sociais    
Vantagens nutricionais
 
O leite materno é nutricionalmente completo, com todos os nutrientes necessários para a alimentação exclusiva nos primeiros 6 meses de vida, e continuar a ser o principal alimento até ao ano de idade. O leite humano é rico em ácidos gordos essenciais, imprescindíveis para o crescimento do cérebro e para a retina, o que provavelmente é uma das justificações para as vantagens cognitivas e de visão descritas. 
           
Os constituintes nutricionais do leite humano criam as condições para um crescimento diferente do que acontece com leites artificiais ("optimização do crescimento") com um ganho de peso maior nos primeiros meses de vida, e uma diminuição relativa nos meses seguintes. Esta diferença de crescimento verificada no primeiro ano de vida, deve ser vista como o modelo, a norma ideal, e não um defeito, como tem acontecido até aqui. Crescer bem não é crescer mais.
 
O leite materno não é um leite monótono, sempre igual, pois vai variando de constituição ao longo da mamada, do dia e dos meses, permitindo, entre outras vantagens, adaptar-se ao apetite e sede individual.
 
O leite humano é uma substância de uma riqueza extraordinária, com uma enorme quantidade de constituintes com propriedades e funções que na maior parte dos casos ainda desconhecemos. No entanto, sabemos hoje que proporciona protecção imunológica e dispõe de propriedades anti infecciosas e anti alérgicas.
 
Protecção imunológica 
  • Diminui o risco de Diabetes juvenil
  • Redução de S. Morte Súbita
  • Maior resistência a doenças e infecções
  • Protecção para infecções respiratórias, intestinais, urinárias
  • Redução do risco de alergia, mais evidente em famílias com maior risco
  • Redução da cárie dentária
  • Redução de risco de enterocolite necrosante em recém nascidos prematuros
Numerosos estudos epidemiológicos, têm vindo a demonstrar os benefícios do aleitamento materno para a redução das doenças, infecciosas e outras, quando comparado com substitutos do leite materno. A dimensão da diferença de probabilidade de um acontecimento como uma doença, internamento hospitalar ou morte, entre bebés alimentados artificialmente e com aleitamento materno, é mostrado como risco relativo (RR) nos quadros seguintes.
 
 
Substituto  vs. Aleitamento materno
 
Hospitalização em países desenvolvidos
Hospitalização por d. respiratória baixa
Morbilidade em países em desenvolvimento
Mortalidade em países em desenvolvimento
RR (x)
 
3
3
50
7,9
 

Existe evidência forte de que os efeitos positivos do aleitamento materno são mais significativos com uma duração superior a 6 meses, mas o que ressalta da maior parte dos estudo é a noção da existência de relação "dose-efeito" ou "dose-resposta", que quer dizer que relação que existe entre a resposta (efeitos benéficos da amamentação) é proporcional à dose (quantidade, duração, exclusividade), e esta protecção para determinadas doenças ou riscos mantém-se para além do desmame, havendo já evidência de protecção até à vida adulta.

Uma recente publicação da OMS efectua uma revisão sobre os benefícios a longo prazo, afirmando que a evidência disponível mostra que o aleitamento materno condiciona a longo prazo tensão arterial mais baixa, colesterol total menor, melhor desempenho em testes de inteligência, e redução da obesidade e da diabetes mellitus tipo 2. No entanto, chama a atenção que nalguns casos a dimensão da diferença é relativamente modesta.

 
A. Vantagens para o bebé:     
  • Melhor protecção imunológica
  • Resistência para alergias, especialmente em famílias com maior risco
  • Maior protecção contra microrganismos específicos como vírus e bactérias
  • Menor probabilidade de infecções respiratórias como pneumonias e bronquiolites
  • Maior resistência para diarreias, otites, infecções urinárias
  • Melhor desenvolvimento da visão
  • Redução da cárie dentária, melhor desenvolvimento mandibular, dentário e da fala
  • Maior protecção para doenças crónicas, como diabetes mellitus, doença de Crohn, colite ulcerosa e doença celíaca
  • Menor probabilidade de linfoma, leucemia, doença de Hodgkin
  • Menor probabilidade de obesidade
  • Tensão arterial e colesterol total mais baixo
  • Menor probabilidade de eczemas e asma
  • Redução de S. Morte Súbita
  • Redução de risco de enterocolite necrosante em bebés prematuros
  • Melhor resposta às vacinas
  • Quando doente dá conforto, ajuda a hidratar e a recuperar mais depressa

O pequeno número de estudos em cada uma das factores de risco ou doenças crónicas sugere algum cuidado na interpretação destes dados. 

 
RR (x)
Alergia, eczema
2-7
Diabetes tipo I
2,4
D. Inflamtória Intestinal
1,5-1,9
D. Hodkin
1,8-6,7
S. Morte Súbita
2
 
RR (x)
Infecção urinária                                           
2,6-5,5
Gastroenterite
3
Otite média
2,4
Enterocolite Necrosante
3,8
Infecção Respiratória baixa              
1,7-5
Infecção Respiratória VSR
3,9
Sepsis
2,1

 Desenvolvimento motor e intelectual

Muitos estudos confirmam que crianças que foram amamentadas têm melhor resultados em testes de desenvolvimento motor e intelectual do que crianças que não foram. Quando potenciais confundidores foram levados em consideração, estas diferenças são pequenas, mas mantêm-se indicando que nem todo o efeito observado é devido aos factores de confusão. A consistência das diferenças observadas ao longo do tempo e do espaço e a relação dose-resposta observada também sugerem que este efeito é real e tem uma base biológica1.
 
B. Vantagens para a mãe: 
  • Promove uma recuperação rápida após o parto
  • Permite voltar à forma pré gravidez mais rapidamente
  • Diminui o risco de cancro da mama, cancro do ovário, osteoporose, doenças cardíacas, diabetes, artrite reumatóide
  • Atrasa a menstruação, sendo um importante factor no espaçamento das gravidezes e controlo da fertilidade
  • É simples e conveniente, sempre pronto, sem aquecimentos, preparações desinfecções e a enorme quantidade de utensílios necessários
  • Aumenta a confiança da mãe, sensação de bem estar e segurança
  • Promove a ligação com o filho
  • Menor absentismo escolar/laboral
  • Poupa tempo (biberões para lavar, para aquecer, leites para preparar)
C. Vantagens para a Família: 
  • Poupa dinheiro (x?/ano) em latas de leite, biberões, tetinas, esterilizações
  • Poupa dinheiro em gastos de saúde
  • Menor número de faltas ao trabalho 
  • Viagens, deslocações mais fáceis
 D. Vantagens para o ambiente: 
  • Permite poupar energia e recursos alimentares
  • Não são necessárias embalagens nem produtos para limpeza ou desinfecção
 E. Vantagens económicas

Existem numerosos estudos que para além de ser a forma mais segura e mais saudável de alimentação infantil, o aleitamento materno é também a mais barata, com vantagens económicas para as famílias, as empresas, os sistemas de saúde e para os países. As vantagens económicas advêm da redução de doenças e consequente diminuição em gastos adicionais em cuidados de saúde, menor absentismo laboral, entre outros. 

Embora os custos aumentados da não amamentação sejam geralmente mais importantes para famílias e paíse pobres, o impacto em países desenvolvidos é muto importante. Nos Estados Unidos é citado uma potencial redução de custos em cuidados de saúde de 3,6 mil milhões de dólares por ano 2.
 

 Referências:

1. León-Cava, N: Quantifying the benefits of breastfeeding: a summary of the evidence. Washington, D.C.2002.

2. The Economic Benefits of Breastfeeding: A Review and Analysis. By Jon Weimer. Food and Rural Economics Division, Economic Research Service, U.S. Department of Agriculture. Food Assistance and Nutrition Research. Report No. 13.

3. Moreland J, Coombs J. Promoting and supporting breastfeeding. Am Fam Physician 2000;61(7):2093-2108

 5. Gartner LM, Morton J, Lawrence RA, Naylor AJ, O'Hare D, Schanler RJ, et al. American Academy of Pediatrics Section on Breastfeeding. Breastfeeding and the use of human milk. Pediatrics 2005;115:496-506.

 6. Lawrence RA and Lawrence RM. Breastfeeding, A Guide for the Medical Profession, 6th Ed. Elsevier Mosby, Phila, PA. 2005
 
 Imprimir   
Pesquisa

Estatísticas
Links importantes
Login


Privacidade | Condições de Utilização